Exército de Salvação recebe doações para vítimas das chuvas no Rio

Doações de roupas, sapatos, alimentos ( café, água, leite, pão) e outros objetos podem ser entregues no Exército de Salvação:

Niterói

Rua Visconde de Itaboraí, nº 357 – Centro   Tel: (21) 2620-1702.

Rio de Janeiro

Grajaú – Rua Bambuí, nº 36     Tel: (21) 2298-2574 / (21) 2577-3512.

Cachambi/Méier – Rua Garcia Redondo, nº 103     Tel: (21) 2595-5694.

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

O Exército de Salvação também disponibilizou uma conta para o depósito de dinheiro em favor do trabalho com as vítimas.

Itaú – Agencia 1000 / Conta Corrente 62233.0

Exército de Salvação no Rio de Janeiro ajuda pessoas afetadas pelas enchentes

A chuva afetou pouco as unidades do Exército de Salvação em Bangu e Santa Cruz, mas São Gonçalo, Niterói, Rio Comprido e o morro da Divinéia foram muito atingidos.

No início da manhã de terça e quarta era impossível ir a qualquer lugar. Todas as ruas estavam alagadas, com vários carros e até ônibus atolados na lama. Defesa Civil e a Prefeitura pediam para ninguém sair de casa a fim de não aumentar ainda mais a confusão de carros abandonados, ruas cheias de água, lixo e lama e bairros inteiros sem luz.

Os membros da Associação de Moradores do morro da Divinéia buscaram ajuda no Projeto Integração do Exército de Salvação para acomodar as pessoas cujas casas estavam em situação de risco. Os responsáveis pelo trabalho do Exército de Salvação na comunidade, Major Sara Chagas, os Tenentes Simone e Edmilson Silva juntamente com voluntários, subiram o morro com eles a fim de ver o tamanho do problema.

Duas casas já haviam sido levadas pelas chuvas. As pessoas foram levadas ao hospital, mas estavam bem e tinham ido para a casa de parentes. Debaixo já de muita chuva a equipe conversou com os moradores que insistiam em ficar em suas casas. Uma casa já não tinha praticamente nenhuma terra em volta dela e nem alicerce. Nesta região só não caíram mais casas por causa da caixa dágua enorme construída pela Prefeitura que tem alguns metros de profundidade.

Muita chuva já corria nesta hora e nesta região há casas de barro e madeira, muito vulneráveis. As águas corriam que nem um rio,  já haviam derrubado casas e feito até um furo na parede de outra casa.

“Descemos com o pessoal da Associação, conversando com todos que passavam por nós e os que olhavam meio perdidos pelas janelas de suas casas. Conversamos com as crianças do Projeto que fomos encontrando e alguns pais. Reafirmamos nosso desejo de ajudar. O pessoal da Associação disse que naquele momento não havia ninguém precisando ser abrigado, mas que acreditavam que a noite, e com mais chuva, iriam precisar da nossa ajuda. Combinamos que ligariam para o Projeto assim que precisassem, pois os Tenentes estariam a disposição para ajudar com o que fosse necessário, e nos ligariam em seguida”, relata a Major Sara Chagas, responsável pelo trabalho do Exército de Salvação no Rio de Janeiro.

Paralelo a isso, os Capitães Nilson e Marilza do Rosário, responsáveis pelo trabalho do Exército de Salvação em Niterói estiveram no morro do Estado, onde houve também desabamento de terra e onde algumas pessoas já morreram, e onde tem alguns contatos salvacionistas.

A Capitã Goretti, Major Carlos e voluntários foram à comunidade Belém-Belém, em Engenho de Dentro, onde residem crianças que participam do Centro Sócio-Educativo do Exército de Salvação no Méier  para avaliar a situação lá. A situação da comunidade é preocupante pois há um córrego do lado e fica abaixo do nível da rua.

Hoje o dia foi de escoamento de água e limpeza das ruas. O Rio de Janeiro é formado de montanhas (com deslizamentos), córregos (que transbordaram), lagoas e baías (que também transbordaram) e o mar (que está com ressaca). Ou seja, é tanta água e lama que levará dias para a Prefeitura conseguir tornar a cidade transitável. Com isso está sendo pedido para a população não ocupar as vias públicas para facilitar a passagem de caminhões de limpeza da prefeitura, ambulâncias, carros de bombeiros, etc. Assim,  mesmo quem está aqui no Rio só fica sabendo da situação pela TV. “Como também o caos está muito espalhado (a cidade toda foi atingida), não dá para se concentrar num só ponto de atuação, então estaremos dando  atenção às comunidades onde já trabalhamos ou temos conhecidos, e suas redondezas”, explica Sara.

Doações de roupas, sapatos, alimentos, material de limpeza e outros objetos podem ser entregues na Rua Bambuí, 36, Grajaú. Informações pelos telefones: (21) 2298-2574 / (21) 25773512.

Exército de Salvação na Noruega – moedas que viram imagens

O inverno norueguês foi bastante rigoroso este ano, principalmente para quem vive nas ruas. Mas o Exército de Salvação conseguiu angariar doação para essas pessoas de uma maneira diferente. A agência Try criou um mobiliário urbano onde era possível colocar moedas para doar. A medida que a quantidade de dinheiro aumentava, diferentes formatos apareciam: um telhado e uma cama.

Bem interessante a forma como foi usada esta mídia. No final as pessoas conseguiam ver com o que o dinheiro foi empregado.

Fonte: http://www.adme.com.br/

Família atendida pelo Exército de Salvação ganha casa nova do SBT

Uma família assistida pelo Centro Comunitário Vila dos Pescadores do Exército de Salvação, na cidade de Cubatão/SP, ganhou uma casa nova do quadro Construindo um Sonho do programa Domingo Legal do SBT.

Denilza dos Santos enviou a carta ao programa pedindo uma nova moradia para sua família, em especial por causa da situação da filha mais velha,  Patrícia, de 15 anos, que luta contra o câncer. Devido a um recente transplante de medula, a saúde debilitada da adolescente não permitia que ela retornasse para as condições em que vivia a família.

Enquanto aguardavam alguma solução, Patrícia e sua mãe moravam na casa de apoio do GRAAC (Grupo de apoio a adolescentes e criancas com câncer) em São Paulo. Lá, conheceram Adriana Barros, mãe de Bruno, que faleceu em dezembro de câncer, e que doou o terreno à família para a construção da nova casa na cidade vizinha de São Vicente.

Tanto Patrícia quanto seus irmãos Jean Carlos (14 anos) e Carlos Eduardo (7 anos) fazem parte do projeto do Exército de Salvação há muitos anos, e após a realização do primeiro transplante da jovem, a família morou nas dependências da instituição.

Os líderes responsáveis pelo trabalho em Cubatão, os Capitães Richard e Sarah Oliver estiveram com a Patrícia e sua família no dia da entrega da casa, acompanhados de seus amigos do Projeto.

Assista ao programa no link abaixo:

http://www.sbt.com.br/domingolegal/videos/

Conferência estratégica em favor do Haiti planeja apoio a longo prazo

Os delegados do Exército de Salvação reunido em favor do Haiti

Recomendações provenientes de uma conferência estratégica internacional em favor do Haiti, realizada em Londres, confirma que o Exército de Salvação estará envolvido na reconstrução do Haiti muito além das dificuldades instauradas após a situação emergencial provocada pelo terremoto que atingiu o país em janeiro.

A conferência teve a participação de uma delegação do Território do Caribe do Exército de Salvação, representantes de outros dez territórios envolvidos no socorro e processo de reconstrução e de membros da sede internacional do Exército de Salvação.

Bem como se comprometer com a ajuda de emergência em curso, que chega a U$ 500.000 por mês, os delegados da conferência ofereceram financiamento para projetos de construção que custam milhões de dólares e que poderão levar mais de cinco anos para serem concluídos. Apesar das generosas ofertas muitos mais dinheiro será necessário para completar tudo o que precisa e o aumento das parcerias com doadores que não são do Exército de Salvação fará parte do processo.

O Exército de Salvação em Porto Príncipe oferece serviços essenciais a uma das áreas mais pobres no Haiti e delegados da conferência expressaram fortemente sua convicção de que as instalações do Exército da Salvação precisam ser reconstruídas o mais rápido possível.

A maioria dos edifícios, tanto do Exército de Salvação quanto da cidade, foram tão danificados que terão que ser demolidos. A estimativa é que levará cerca de um ano só para remover os escombros, sendo que há ainda muitos corpos sob eles.

Durante os próximos meses, a prioridade será a transição para os projetos a longo prazo, enquanto o serviço de emergência continua o trabalho imediato. Ao discutir o que precisa ser feito os delegados se dividiram em três grupos, abrangendo a fase emergencial, projetos comunitários e de desenvolvimento e perspectivas de infra-estrutura. São nesses três eixos que o Exército de Salvação continuará a trabalhar no Haiti.