COVID-19 E DIA MUNDIAL DOS REFUGIADOS: O EXÉRCITO DE SALVAÇÃO ATENDE ÀS NECESSIDADES DE PESSOAS DESLOCADAS INTERNACIONALMENTE

REFUGIADOS, requerentes de abrigo e migrantes forçados estão entre os grupos mais vulneráveis ​​afetados pelo COVID-19. A Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) relata que atualmente existem 71 milhões de pessoas deslocadas em todo o mundo, e 134 países que hospedam refugiados relataram transmissão local de coronavírus. É nesse contexto que o Exército de Salvação está entrando, sempre que possível, para fornecer apoio adicional a esses indivíduos que já sofreram enormes dificuldades.

Refugiados venezuelanos que vivem em campos temporários e nas ruas de Boa Vista no Brasil, têm recebido apoio do Exército de Salvação – trabalhando em colaboração com as forças armadas do país, o ACNUR e outras agências de ajuda humanitária – há dois anos. Com o advento do COVID-19, refeições adicionais e kits de higiene foram distribuídos no Projeto Pontes do Exército de Salvação na cidade, a fim de ajudar aqueles para quem as finanças são perigosamente apertadas. Os refugiados que costumavam ganhar a vida vendendo água, doces ou lanches em áreas públicas ou em cruzamentos de estradas não conseguem obter renda devido a restrições de circulação. Além disso, os refugiados estão enfrentando o problema de serem despejados de prédios públicos abandonados que estavam sendo usados ​​como abrigo. O Exército de Salvação tem ajudado a registrar pessoas vulneráveis ​​e continua a fornecer monitoramento psicossocial, além de alimentos, outros itens básicos, como colchões.

No sul do país, o Centro Integrado João de Paula, do Exército da Salvação, em Joinville, está ajudando refugiados do Haiti e da Venezuela que enfrentam dificuldades com os efeitos econômicos das regulamentações para gerenciar a propagação do coronavírus. Muitos trabalham em empregos informais que cessaram por causa da pandemia, deixando-os novamente sem uma renda básica. Pacotes de alimentos foram distribuídos para cerca de 35 famílias vulneráveis para garantir uma nutrição com qualidade. Assim como em Boa Vista, está sendo oferecido assistência com a documentação oficial, além de kits de higiene e limpeza.

Os desafios de manter uma boa higiene no contexto de um campo de refugiados são consideráveis. Quatro mil famílias (representando mais de 20.000 indivíduos) sendo apoiadas pelo Exército de Salvação no assentamento de refugiados de Kyangwali, Uganda , têm um apoio financeiro mínimo e não podem comprar suprimentos básicos. Os membros da equipe do Exército de Salvação, já engajados em uma iniciativa de água, saneamento e higiene no assentamento, fornecerão a cada pessoa sua própria barra de sabão para ajudar a impedir a propagação da doença. Com as condições restritas no local, qualquer transmissão do COVID-19 seria extremamente perigosa.

Na África do Sul, um abrigo de emergência para pessoas sem-teto apoiado pelo Exército de Salvação em Marabastad, Pretória, desde o início do bloqueio é especificamente para solicitantes de abrigo. Com a chegada do inverno e a perspectiva incomum de previsão de neve para Joanesburgo, as refeições quentes são um componente importante do apoio do Exército de Salvação. O abrigo – uma antiga prisão – inicialmente planejava acomodar 250 solicitantes de acolhimento que aguardavam o registro correto e documentação. Atualmente, atende 350 homens, mulheres e crianças, incluindo moradores de rua.

Refugiados e outros migrantes em Tijuana, México , estão entre os mais afetados pelo coronavírus na região. Muitos viajaram centenas de quilômetros da América Central e além, para chegar à fronteira com os EUA, onde permanecem até que seus pedidos de asilo sejam ouvidos. A maioria vive em abrigos lotados ou em tendas improvisadas em terreno duro, de modo que as circunstâncias são severas. A Casa Puerta de Esperanza, do Exército da Salvação, distribui pequenos pacotes de cuidados e caixas de bebidas para fazer a diferença e dar esperança.

As populações migrantes no Oriente Médio estão recebendo pacotes de alimentos e cupons de supermercado. Muitos trabalhadores de toda a Ásia e África são trazidos para a região para trabalhar no campo da construção, trabalho doméstico ou serviços de limpeza. Durante a pandemia, muitos deles foram remunerados com salário parcial e são um segmento da população que está sendo constantemente ignorado. Os esforços em toda a região do Exército de Salvação atenderão a mais de 1.500 trabalhadores migrantes. No Kuwait , o Exército da Salvação está trabalhando com embaixadas e consulados nacionais, bem como com o Centro Comunitário Internacional da Cidade do Kuwait. A distribuição do vale-presente coordenada pelo Exército de Salvação dá às famílias migrantes acesso a alimentos essenciais e suprimentos de higiene por 30 dias seguidos. Esquemas de cupons semelhantes em Bahrein e os Emirados Árabes Unidos também buscam garantir que os migrantes tenham uma fonte confiável de alimentos, enquanto a turbulência econômica significa que seus meios de subsistência estão suspensos.

A Espanha foi particularmente afetada pelo vírus COVID-19, e as pessoas mais vulneráveis ​​são imigrantes que não possuem os mesmos direitos que os cidadãos espanhóis. Todos os corpos (centros) do Exército de Salvação do país desenvolveram programas de distribuição de alimentos, com o objetivo de garantir que aqueles sem a documentação correta – e muitas vezes em risco de exclusão – recebam a assistência necessária.

Espanha

Na Grécia , o centro de dia Omonia do Exército de Salvação e Victoria Square, Atenas, reabriu com um novo layout cuidadosamente pensado para fornecer assistência humanitária a refugiados e requerentes de abrigo, garantindo o distanciamento social obrigatório para a segurança dos usuários do serviço e funcionários. O local é o centro da resposta do Exército de Salvação aos migrantes na cidade, com três outras agências fornecendo apoio sob o mesmo teto, a fim de fornecer cuidados abrangentes para os necessitados. Os usuários do serviço têm compartilhado suas histórias de bloqueio e estão ansiosos pelo ‘novo normal’.

  • Displaced é um filme feito no Brasil sobre os refugiados atendidos em Roraima, e pode ser visualizado e baixado via sar.my/displaced
  • Atualizações regulares do COVID-19 – incluindo um mapa interativo, vídeos e recursos para download – podem ser encontradas em nosso site: sar.my/covid19
  • As fotos estão disponíveis em sar.my/covidpics

Conteúdo original traduzido: Sede da IHQ Communications International https://www.salvationarmy.org/ihq/news/inr170620

Exército de Salvação na Europa fornece assistência aos refugiados.

Segundo a OIM (Organização Internacional de Migração), mais de 360.000 refugiados e migrantes cruzaram o Mar Mediterrâneo nos primeiros oito meses de 2015, 140mil a mais que todo ano de 2014. Os registros mostram que mais de 2.700 refugiados morreram tentando chegar na Europa.

O Exército de Salvação na Europa tem assumido uma responsabilidade ética e humanitária para prestar apoio aos indivíduos e as famílias que fogem de seus países de origem. Algumas atividades e programas para refugiados já estão sendo estabelecidos, mas nos últimos meses o Exército de Salvação intensificou o seu apoio e também deu início a novas atividades em vários países europeus.

O trabalho de assistência aos refugiados realizado pelo Exército de Salvação acontece em cidades da Grécia, Itália, França, Holanda, Suécia, Dinamarca, Suíça, Hungria, Romênia, Reino Unido, Rússia, Finlândia e Alemanha.

São fornecidos diversos tipos de ajuda como a doação de roupas, sapatos, artigos de higiene, sacos de dormir, cobertores, água e alimentos. Em alguns locais como na Suíça está sendo fornecido ajuda com alojamento, saúde, creche, assistência com acesso a cursos de idioma e apoio na procura de oportunidades de emprego.

O Exército de Salvação tem feito um trabalho extenso em prol dos refugiados na Europa, e continuará a cumprir sua missão de “atender às necessidades humanas em nome de Jesus, sem discriminação”, oferecendo suporte para as pessoas em estações ferroviárias, centros de refugiados e nas suas centenas de igrejas em toda o continente.

Fontes: http://www.salvationarmy.org/ihq/news/inr040915

https://www.facebook.com/The-Salvation-Army-in-Athens-Greece-1443541422526748/timeline/

Adaptação: Thais Sales.

Pessoas levam doações de roupas.

img07
Refugiados dormem em barracas na Grécia.

img02
Refugiados em uma praça na Grécia.

img03
Pessoas fazendo lanches para distribuir aos refugiados.

ScreenShot003
Oficial do Exército de Salvação trabalhando na distribuição de suprimentos.

ScreenShot005
Alojamento

ScreenShot004
Oficial do Exército de Salvação trabalhando na distribuição de suprimentos.

img01
Exército de Salvação distribuindo alimentos aos refugiados.

img12
Alimentos para serem distribuídos.

Exército de Salvação em Ruanda ajuda refugiados do Congo

O Exército de Salvação em Ruanda está respondendo ao crescente número de refugiados que cruzam a fronteira fugindo do conflito na República Democrática do Congo. Um centro transitório em Nkamira, que foi construído inicialmente para 2.000 pessoas e depois ampliado para abrigar 5.000 pessoas, agora abriga mais de 9.000.

O Major Robert Tuftström com moradores do acampamento transitório Nkamira.
O Major Robert Tuftström com moradores do acampamento transitório Nkamira.

Por essa causa um novo acampamento foi preparado em Mugombwa, e muitas pessoas estão se mudando para lá.

A maioria dos refugiados fugiram carregando apenas itens essenciais. Muitos têm problemas respiratórios e quase 90 por cento dos residentes no centro transitório são mulheres ou crianças.

Tendo mostrado experiência na distribuição de itens não perecíveis, o Exército de Salvação foi contatado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) com o pedido de apoiar os refugiados recém chegados a Mugombwa com colchões e kikoyis (um tecido usado como roupa e como lençol). O Exército de Salvação também está fazendo parte do comitê governamental criado pelo Ministério de Gerenciamento de Disastres e Refugiados do governo ruandês (MIDMAR) que está respondendo à crise.

Fundos iniciais foram levantados – incluindo US$ 28.000 do Quartel Internacional da instituição em Londres – e o Exército de Salvação espera ser capaz de fornecer colchões e kikoyos para o primeiro grupo de 1.500 refugiados que chegarão no acampamento nos próximos dias.

Reportagem do Serviço Internacional de Emergência
Quartel Internacional do Exército de Salvação
Tradução Livre (Tiago Mendes)
Fonte: http://www.salvationarmy.org/ihq/news/inr251013b