Programa de Bazares 20 Anos – Depoimento do Coronel John Jones

O Tte-Coronel John Jones aceitou falar com exclusividade ao Blog do Exército de Salvação, lembrando alguns fatos históricos relativos à abertura do Programa de Bazares Beneficentes, no ano 2000.

Confira abaixo o depoimento do Tte-Coronel Jones:

“Estou contente poder participar do evento comemorando 20 anos desde a inauguração do primeiro Salvashopping.

Durante anos havia no Território a ideia de criar um trabalho como os chamados ‘Thrift Stores’ (Bazar de Usados) como acontece em outros territórios.

Para dar seguimento a esse desejo decidimos chamar um oficial dos Estados Unidos para fazer um pequisa e nos indicar como poderíamos iniciar tal trabalho.

Na epoca o Coronel Gruer era o Chefe Territorial e eu, seu Secretario em Chefe. O oficial veio e, durante alguns dias fez a sua pequisa. Ao terminar ele foi convidado para conversar com o Conselho de Finanças sobre suas conclusões.

Ele falou que seria possível iniciar, sim. Ficamos contentes. Então ele disse que iria custar dois milhões de dólares para poder começar de forma viável! Essa bomba nos deixou desanimados, e foi decidido não ir para a frente com esse propósito.

Passaram algumas meses e eu me tornei Chefe no lugar do Coronel Gruer. Após algum tempo convidamos o Major David Waite para o Território do Brasil. Ele foi nomeado Secretario da Obra Social e pedimos que ele tentasse iniciar a obra desejada.

Porém, ele passou essa responsabilidade para o Major Dirceu Lemos, seu sub-secretario da Obra Social, e o Major Dirceu iniciou suas pesquisas.

Após algum tempo ele veio com as suas propostas, os quais foram levadas ao Conselho de Finanças. O Major indicou que alugássemos um galpão grande para ser o local do Salvashopping (o nome foi dado por ele!).

E poderíamos alugar esse local por – se eu me lembro corretamente – R$ 4.000 por mês!

Mais um susto. A maior parte dos membros do conselho acharam que essa soma estaria bem além das nossas possibilidades. Decidimos chamar o Major para expor suas ideias. Ele veio, e explicou que não adiantava iniciar de forma pequena, pois isso daria poucos resultados.

Ele falou que tinha achado o dito galpão e que o preço foi razoável pelas seguintes razões: ficava num lugar onde passava muita gente para fazer compras; o espaço daria condições para expor os itens bem; e as pessoas entrando iriam ver que esse lugar não era simplesmente uma pequena loja de roupas, mas algo bem maior, que valeria sua frequência.

Ouvindo suas explicações ficamos convencidos. O Major tinha razão. Mas agora veio mais uma bomba: ‘Eu vou precisar de um veículo’ disse o Major Dirceu. E não somente um pequeno veiculo, mas algo como um pequeno caminhão! E ele já sabia o preço!

Eu acho que só com a ajuda de Deus, ele conseguiu que aceitássemos suas propostas.

O resto é historia. No dia quando eu fiz a cerimônia de inauguração o galpão estava cheio de tantas roupas, equipamentos, artigos e aparelhos de todo tipo; alguns itens com preços bem elevados!

Ao concluir, quero dar meus sinceros parabéns ao Major Dirceu pelo ótimo trabalho que ele começou, e dirigiu durante anos. Trabalho que vai crescendo cada vez mais. E com o crescimento da Salvashopping veio o crescimento de fundos para o financiamento da obra salvacionista no Brasil.

De verdade, o Major foi usado por Deus a fim de fazer um trabalho maravilhoso para o Reino de Deus no Brasil. De todo o coração eu acredito que ninguém, do Brasil ou de outro Território, poderia ter feito um trabalho tão espetacular e de tanto valor. Confesso que admiro o Major por tudo que fez, e está fazendo. Mando abraços calorosos para meu cadete na época e agora meu amigo e colega de grande valor. Todo o Território do Brasil lhe deve respeito, admiração e carinho.

E eu não posso deixar de frisar que, muito do que o Major fez, não teria sido possível sem a ajuda e apoio constante da Major Elisana.

Ele tinha seu próprio trabalho, mas muito que foi conseguido pelo Major foi por causa desta ajuda indispensável dada por sua querida esposa. Envio um caloroso abraco para ela com meus profundos agradecimentos pelo grande trabalho que ela fez junto com o Major.

Que Deus os abençoe cada vez mais!

John Jones – Coronel”

Programa de Bazares – 20 anos

DO INÍCIO

13 de Setembro de 2000. Pessoas se aglomeram em frente a um galpão recém reformado na Avenida Santa Catarina, em São Paulo. Era uma quarta-feira, final do inverno daquele ano.

Há uma expectativa no ar. A iniciativa de trabalhar com lojas beneficentes já havia sido tentada em menor escala por pequenas unidades do Exército de Salvação. Apesar de ser uma experiência bem sucedida em outros países, seria a primeira vez que um programa estruturado seria tentado no Brasil.

A esperança era que o novo projeto ajudasse a sustentar as obras sociais do Exército de Salvação que, como toda organização filantrópica brasileira, lutava para levantar recursos para o seu sustento.

A palavra “Salvashopping” se tornou um apelido interno carinhoso para o braço do Exército de Salvação que passava a cuidar exclusivamente das Lojas Beneficentes.

E essa seria, definitivamente, uma loja diferente. Uma loja do “bom, bonito e barato”, onde “todo dia haveria coisa diferente”, mas ao mesmo tempo que serviria a um nobre propósito: ajudar a outros.

O modelo de negócio era simples, embora de difícil implementação: retirar doações nas casas das pessoas, revendê-las a um bom preço e enviar o lucro para sustento do trabalho beneficente.

Na prática era necessário: comunicar o novo serviço, preparar a área de logística, abrir um novo ponto de venda, criar um sistema de precificação e revenda, criar controles, pagar as contas e ainda gerar um resultado para o apoio da missão. Tudo isso com uma equipe pequena e inexperiente.

Mesmo assim todos estavam bastante animados. Nenhum desafio inicial fez a pequena equipe de 7 funcionários e 2 oficiais esmorecer.

A inauguração de Setembro de 2000 foi um sucesso, mas apenas um primeiro passo de uma história que hoje completa 20 anos.

COMUNICAR E CRESCER

Nos primeiros anos de existência do programa de bazares era necessário já colher frutos e, ao mesmo tempo, preparar o terreno para o crescimento.

O trabalho era árduo e o número de funcionários envolvidos precisava ser cada vez maior.

Motoristas, ajudantes, classificadores, vendedores, operadores de caixa, assistentes de finanças e recursos humanos, assistentes administrativos, operadores de telemarketing, gerentes, entre outros. Todas as funções eram importantes para o projeto, e ao longo dos anos centenas de funcionários deixaram a sua marca na história da instituição.

Em 2007 o primeiro site do programa de bazares foi lançado, inaugurando a era digital e iniciando uma importante trajetória na internet.

Da mesma forma ações de marketing começaram a ser utilizadas para amplificar uma única mensagem: “Retiramos Doações”. Outdoors, frontlights, paineis no metrô, spots no rádio e na TV, e até propaganda em caixa de pizza. Tudo poderia virar uma “arma” para propagar a famosa frase.

RUMO AO DESENVOLVIMENTO

Ao longo dos anos seguintes o Salvashopping encontrou um caminho de crescimento sustentável e contínuo.

Da mesma forma o ponto de venda na Av Santa Catarina tornou-se uma referência na região, recebendo visitantes de toda a cidade, que se aglomeravam na porta todos os dias disputando os produtos recém chegados ao bazar.

Em consequência, foram inauguradas novas lojas na Avenida Cupecê (2006) e na Avenida Belmira Marin (2009), e expansões da área de coleta foram iniciadas no Rio de Janeiro (2007), Campinas (2011), São José dos Campos (2012) e Curitiba (2013).

Era necessário contratar mais pessoas, aumentar a frota de caminhões, inaugurar novas lojas, aumentar o tamanho dos galpões, reinvestindo no negócio e preparando-o para um crescimento ainda maior.

UMA NOVA CASA

Diversos fatores levaram a direção do Salvashopping, em 2014, a procurar um novo local para o galpão e escritórios: uma parceria inédita com o Território Oeste do Exército de Salvação nos EUA trazia uma nova perspectiva e potencial de crescimento. Além disso, um incêndio ocorrido em Janeiro de 2014 havia destruído o primeiro galpão, nos fundos da loja da Av Sta Catarina, acelerando o processo de mudança.

Por 1 ano um local temporário foi ocupado na Rua Alba e, em seguida, a mudança para São Bernardo do Campo foi iniciada.

Entre 2014 e 2017 foram inauguradas 5 novas lojas: Diadema, São Bernardo, Santo André, São Mateus, Suzano e Mauá. Além disso, o novo galpão contava com um novo espaço para venda de sucata e ampliação da venda de recicláveis.

Em 2018 o desafio de uma nova mudança de galpão trouxe amadurecimento e experiência para a equipe, preparando o terreno para novas mudanças e ampliações.

PRÓXIMOS 20 ANOS

Ao longo de 20 anos alguns números do Salvashopping dão uma ideia da relevância do programa atualmente:

230 funcionários, 80.000 doadores anuais, 25.000 clientes mensais, 8 bazares beneficentes, 3 centros logísticos, 33 caminhões, 580 ligações diárias e 1.200 acessos diários ao site.

Há muito o que comemorar, apesar dos desafios da pandemia global de 2020. Olhar para o passado nos ajuda a perceber o quanto, ao longo do caminho, aprendemos e amadurecemos.

Que os próximos 20 anos sejam de crescimento e de colheita de muitos frutos, com o fim de proporcionar ajuda para muitas pessoas e estender, assim, o Reino de Deus.

Eu plantei, Apolo regou, mas Deus é quem fazia crescer;
de modo que nem o que planta nem o que rega são alguma coisa, mas unicamente Deus, que efetua o crescimento.
1 Coríntios 3:6,7

Texto e Pesquisa: Tiago Mendes
Imagens: Exército de Salvação – Salvashopping