Relato em primeira mão sobre a distribuição de alimentos no Haiti

salvationarmy_haiti_food

Leia a seguir o relato da Major Kelly Ponster, uma das responsáveis pelo trabalho do Exército de Salvação de assistência às vítimas do terremoto no Haiti.

“A fome e o cansaço eram evidentes nos rostos daqueles passando pela fila de distribuição de alimentos. No dia 1 de fevereiro, um comboio de veículos trouxe ao local 40 membros Em 1 de fevereiro, no momento em 2 locais, um comboio de caminhões carregados de comida. O Exército de Salvação rapidamente assumiu o controle e dentro de minutos as portas dos caminhões foram abertas e comida começou a ser distribuída. Dezenas de militantes do Exército de Salvação e voluntários foram ao local para a entrega dessa quarta leva de distribuição de alimentos na região. Para eles, tratava-se de serviço. Para desabrigados a questão era a sobrevivência.

Milhares de famílias se enfileiraram nas estradas empoeiradas aguardando um carimbo nos cartões de entrega de alimentos. À medida que a fila avançava, as pessoas recebiam suas cestas básicas, suficientes para alimentar uma família de cinco integrantes durante uma semana. Cerca de 552.000 alimentos foram distribuídos em menos de quatro horas.

A vida ao redor do acampamento do Exército de Salvação continua difícil. O saneamento básico é uma preocupação constante e a resposta emergencial prossegue a cada dia. Seria fácil pensar que não há sinais de esperança em meio às ruínas do bairro. No entanto, naquele dia pequenos gestos fizeram a diferença. Um grupo de três jovens voluntários, fazendo seu melhor para manter a fila de distribuição de alimentos andando, avistou uma mulher idosa que parecia estar um pouco em dúvida quanto ao processo. Eles se afastaram da fila e se achegaram a ela, tempo suficiente para ajudá-la a fechar sua caixa e colocar a comida em cima de sua cabeça para poder transportá-la de volta ao acampamento. Isso levou apenas dez segundos, mas fez a diferença. Em meio ao caos e desespero ainda há lugar para o respeito.’’

Haiti – Informativo 3

Equipes do Exército de Salvação no Haiti continuam a concentrar as atenções nas 12.000 pessoas que vivem nas áreas em torno de um grande campo de futebol atrás do principal complexo do Exército de Salvação em St Martin, um bairro de Porto Príncipe. A coordenação das Nações Unidas designou o Exército de Salvação como a organização humanitária para liderar as operações no estádio de futebol e em outra área, ambas adjacentes ao Exército de Salvação. Essa designação oficial coloca sob os cuidados diretos do Exército de Salvação mais de 20.000 pessoas desabrigadas pelo terremoto.

Antes do terremoto, o Estádio de 10.000 lugares, era geralmente usado para jogos de futebol e shows de música, sendo o vizinho mais próximo do complexo do Exército de Salvação. O terremoto de 12 de Janeiro destruiu todos os assentos sobrando apenas as três primeiras fileiras. Os assentos superiores desabaram, mas deixaram o gramado e os restantes dos lugares intactos. Rapidamente o local se tornou uma nova área residencial de acomodações compostas de paredes temporárias de papelão e com proteção de plástico e algumas barracas.

O registro das pessoas que vivem no campo está quase completo. Isto é importante porque, as entregas das rações alimentares pelas Nações Unidas serão eventualmente vinculadas ao número de pessoas cadastradas em qualquer dos distritos.

Equipes do Exército de Salvação distribuíram mais de 24.000 refeições na área em torno do seu complexo. A comida tem sido fornecida pelo Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas. Um sistema com capacidade de purificação de água para cerca de 37.000 litros por dia, está também em operação. O sistema de água foi fornecido pela EDGE, uma agência humanitária Cristã.
Tenente-Coronel Lindsay Rowe (Vice Presidente do trabalho do Exército de Salvação no Caribe) diz que a área de St Martin em que o Exército de Salvação está trabalhando é considerada uma das mais perigosas em Porto Príncipe. Por motivos de segurança a imprensa tem sido avisada pelas autoridades locais para manter-se afastada.
O Exército de Salvação possui 60 anos de ministério em St Martin e o movimento é bem respeitado e apreciado. O complexo inclui os edifícios da administração, igreja, uma escola, lar para crianças, um programa de alimentação e uma clínica médica. Muitos dos edifícios foram danificados e alguns se tornaram completamente inutilizáveis pelo terremoto. No entanto, a área está sendo bem utilizada para coordenar a resposta de emergência, distribuição de alimentos, serviços médicos, cuidados em geral e de apoio a população local.

Como um pequeno sinal de que a vida continua, o Exército da Salvação está reabrindo uma escola em um local temporário no seu complexo em Porto Príncipe. Dois dos principais edifícios que eram usados para as escolas foram destruídos no terremoto e as pessoas têm medo de entrar em edifícios que ainda estão de pé. Trabalhadores do Exército de Salvação continuarão a fornecer proteção, alimentação e assistência médica necessária às crianças de três a seis anos de idade.

Antes do terremoto, 1.500 crianças frequentavam a escola do Exército de Salvação, patrocinado pela Kindernothilfe (KNH). O Exército da Salvação vai oferecer escola diária e apoio para centenas de crianças de três a seis anos nas próximas semanas.

Trabalhadores do Exército de Salvação também estão ajudando as pessoas de outras áreas atingidas. Uma cantina móvel distribui comida e água para as aldeias e bairros periféricos de Porto Príncipe. Além disso, 4.000 pares de sapatos leves foram distribuídos. Pessoal de segurança das Nações Unidas está prestando apoio para garantir uma distribuição eficiente e ordenada.

Uma equipe de avaliação se deslocou até Petit Goave, uma cidade costeira 68 quilômetros ao sul de Porto Príncipe, que foi seriamente danificada pelo terremoto. Tem sido muito difícil para a ajuda chegar até a área por causa dos destroços que bloqueiam a estrada.

Major Emmanuel Michaud e Capitão Serge Lainne, oficiais do Exército da Salvação nascidos no Haiti, mas servindo no E.U.A., realizaram a avaliação e irão coordenar o esforço de socorro na região. Major Michaud diz: “Será uma jornada difícil, porque as estradas estão bastante danificadas, mas com cautela, cuidado e com a ajuda de Deus poderemos levar voluntários, materiais e esperança para aquelas pessoas.”

Os membros da equipe continuam a participar das reuniões de equipes da ONU para coordenar as atividades de socorro com outras organizações maiores e assegurar o uso mais eficiente dos recursos. Os trabalhadores dizem que a alimentação é uma necessidade tão desesperada que muitas pessoas, apesar de gravemente feridas, entram na fila para receber os alimentos antes de procurar tratamento médico porque eles sentem que, a falta de alimentos, é a maior ameaça à sua sobrevivência imediata.

Cerca de 200 pessoas tem recebido tratamento médico diariamente. As equipes médicas auxiliaram no parto de vários bebês no complexo principal e também foram enviados para vários orfanatos na área para ajudar as crianças e bebês que receberam pouca ajuda desde o terremoto.

O primeiro carregamento de suprimentos, incluindo comida e água, tem chegado a Porto Príncipe. A entrega foi por terra vinda de Santo Domingo, na vizinha República Dominicana. Os alimentos e água serão distribuídos assim que a logística para uma distribuição ordenada estiver organizada e coordenada com o apoio da Organização das Nações Unidas.

Quatro contêineres de alimentos, água e produtos de higiene pessoal da Jamaica são previstos de chegar hoje (26 de Janeiro) em Lafiteau, um pequeno porto distante 12 milhas de Porto Príncipe. Dois destes recipientes foram preparados pelo Exército de Salvação na Jamaica e serão distribuídos pela equipe do Exército de Salvação em Porto Príncipe.

Um segundo carregamento ainda maior organizado pela base da “World Services Organisation” do Exército de Salvação (SAWSO), e transportado através da empresa de entregas UPS, está a caminho através de Santo Domingo. O carregamento é composto por 20 engradados de comida que irão fornecer mais de 91.000 refeições e água em garrafas de meio e 3 litros.

Centenas de voluntários continuam a se apresentar na sede do Exército de Salvação em Kingston, Jamaica. Lá eles recebem, classificam e embalam as muitas doações de alimentos e roupas que chegam ao armazém de estocagem do Exército de Salvação.

O Exército de Salvação está trabalhando com o governo Haitiano, os militares Americanos, a agência que administra emergências do governo Americano (FEMA), a ONU, outras organizações não-governamentais e os seus parceiros empresariais para realizar uma ampla resposta ao desastre.
Tenente-Coronel Rowe diz: “Nós continuamos profundamente comovidos com o apoio que o Território do Caribe está recebendo de todo o mundo. Nossas necessidades mais urgentes são de oração e de finanças para sustentar um compromisso de longo prazo para reconstruir um Haiti melhor.”

Fotos sobre o trabalho do Exército de Salvação no Haiti: http://www.flickr.com/photos/salvationarmy

Diretor da UPS se envolve com o trabalho do Exército de Salvação no Haiti:
http://blog.salvationarmyeds.org/?p=544

Mais Informações:
http://www.salvationarmyhaiti.org/
http://www.salvationarmycarib.org/

ONU designa o Exército de Salvação para assistir 20.000 haitianos

O Exército de Salvação está cuidando de 20.000 que residem provisoriamente em barracas construídas num campo de futebol (Foto: Jeremy Watt)
O Exército de Salvação está cuidando de 20.000 que residem provisoriamente em barracas construídas num campo de futebol (Foto: Jeremy Watt)

A Organização das Nações Unidas designou o Exército da Salvação como a instituição principal responsável pelo atendimento a 20.000 pessoas desabrigadas pelo tremor de terra no Haiti. Os sobreviventes construíram barracas em um estádio de futebol e em uma praça ao lado da unidade principal do Exército de Salvação em Port-au-Prince.
Com isso, o Exército da Salvação assume a responsabilidade de abrigar as pessoas em unidades de habitação familiar dentro das normas da ONU e também está fornecendo água potável, remédios, suprimentos básicos de saúde, higiene e saneamento. Em cooperação com as Nações Unidas para o Programa Mundial de Alimentos, a organização também vai distribuir, de forma segura, alimento para aqueles dentro do seu cuidado.
O Exército de Salvação continua a prestar socorro e dar suprimentos a milhares de haitianos. Mais do que 350.000 refeições, 18.000 litros de água, centenas de barracas, artigos de bebê e suprimentos médicos foram entregues. Além disso, mais de 1.200 pessoas receberam assistência médica e a organização tem re-inaugurado uma escola para crianças de 3 a 6, em um local provisório no complexo principal.
“As dependências do Exército da Salvação viraram lares para milhares de famílias”, disse Brian Burditt, diretor de Missão Mundial. “Será a nossa responsabilidade cuidar dessas famílias e fazer o máximo para apoiá-las como alívio e continua como a reconstrução começa”.
O Exército de Salvação atua no Haiti desde 1950 e seus membros, que foram afetados pelo terremoto, estão agora trabalhando para ajudar os necessitados. A instituição opera três centros médicos, escolas que servem pelo menos 10.000 crianças, programas de alimentação, lares para crianças e atividades relacionadas com a igreja no país.

Exército de Salvação no Haiti

O Exército de Salvação Responde ao Terremoto no Haiti


O Exército de Salvação respondeu de imediato ao terremoto que causou muitos estragos nos edifícios e um número significante de perda de vidas em Porto Príncipe, capital do Haiti.
A comunicação está difícil, sem linhas telefônicas, mas as notícias recebidas do Território do Exército de Salvação do Caribe indicam que existem muitíssimos danos nas propriedades do Exército de Salvação na cidade. A sede nacional, a casa dos oficiais e o lar de crianças sofreram bastantes estragos. A casa do Coordenador de Emergência Bob Poff foi totalmente destruída, mas ele e a sua esposa, Vivienne, estão a salvo.
Após o terremoto foi preocupante o fato de não se encontrar um grande número de crianças do lar do Exército de Salvação. Inicialmente não era claro se as mesmas estariam no lar quando se deu o acidente ou se ainda não tinham regressado da escola. Os últimos relatos informam que uma das 52 crianças continua desaparecida.
O Quartel Internacional do Exército de Salvação, em Londres, garantiu ajuda ao Território do Haiti. A Organização Mundial de Serviços do Exército de Salvação (SAWSO) sediada nos Estados Unidos da América enviou o Major George Polarek para o Haiti no dia 14 de Janeiro para coordenar a logística necessária para transportar comida por via aérea para o Haiti. Pelo menos 285.000 refeições estão prontas para serem enviadas e a SAWSO está trabalhando através de vários canais e de altos contatos do Governo americano.
Quatro territórios do Exército de Salvação já ofereceram ajuda financeira, mas é apenas o início. Outras ofertas de apoio serão gratamente recebidas.
Os Serviços de Emergência Internacional do Quartel Internacional estão aguardando, prontos para agirem assim que existir uma imagem clara do nível de apoio que será necessário.
Ainda em Novembro de 2009, o General Shaw Clifton e a Comissária Helen Clifton, líderes internacionais do Exército de Salvação, estiveram no Haiti, visitando alguns dos locais que agora foram severamente danificados pelo terremoto. O General apela ao Exército de Salvação a nível mundial para que ore pelas pessoas do Haiti cujas vidas foram tragicamente afetadas pelo desastre, e pelas muitas pessoas que procuram ajudar e apoiar.

Quem quiser enviar donativos para ajudar as vítimas desta catástrofe, pode fazê-lo diretamente em: http://www.salvationarmy.org/ ou então contatando-nos na nossa Sede Nacional, pelo telefone: 11 5591-7074 ou 11 5591-7076.Depósitos Bancários na conta: Banco Itaú – Agência 1000 conta corrente 62233-0. Pedimos que indiquem no depósito que é para as vítimas do terremoto no Haiti.

Texto original: www.salvationarmyusa.org